GUAIÚBA

Empresas iniciam instalação em janeiro

As obras de terraplanagem no Polo Químico de Guaiúba iniciaram na semana passada e devem finalizar até o fim do ano, propiciando a instalação de empresas a partir de 2018

Evilázio Bezerra/O POVO
O Polo Químico de Guaiúba deve impactar no Município com a criação de mais de dois mil empregos diretos e sete mil indiretos

Indústrias do setor químico começam a se mobilizar para instalação no Polo Químico de Guaiúba, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), com o início das obras de terraplanagem, na última semana. Das 28 empresas previstas para o empreendimento, seis já deram entrada ao processo de formalização junto ao Município e devem começar as construções em janeiro de 2018. A expectativa é que no auge das operações sejam gerados mais de dois mil empregos diretos e sete mil indiretos em Guaiúba.

As primeiras empresas a se instalar no complexo devem ser a Fortfix, Wanaquímica, Daneto, Tá Limpo, Incraplast e a Oswaldo Cruz Química. Outras 14 já confirmaram participação no complexo e as demais vagas estão em negociação.

“Não dá para começar todo mundo de uma vez, então vamos fazer aos poucos na medida em que a infraestrutura do complexo for concluída. A expectativa é de que as empresas comecem a operar de fato no segundo semestre de 2019”, explica o coordenador do Polo, João Sérgio Borges de Carvalho.

Ele diz que só na Fortfix, empresa que preside, o investimento previsto na nova unidade é de R$ 5 milhões. Com a nova unidade, a capacidade de produção de tintas, verniz e cola, que hoje é de 30 toneladas por dia, deve ser triplicada. “Com isso, acredito que, em três anos, devemos dobrar ou até mesmo triplicar também o faturamento”, afirma.

As obras de infraestrutura básica do complexo iniciaram na última semana. Nesta primeira etapa, além da terraplanagem, o Governo, por meio da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece) e da Secretaria da Infraestrutura do Estado do Ceará (Seinfra), deve realizar serviços de pavimentação, drenagem, rede de água e esgoto. O investimento previsto é de R$ 10,8 milhões.

“A expectativa é que até o fim do ano toda esta parte de terraplanagem esteja concluída. É um projeto importante, um segmento muito atuante e a expectativa é que muitas empresas sejam atraídas para o Polo (Químico) de Guaiúba”, afirmou o secretário de desenvolvimento econômico do Estado (SDE), César Ribeiro.

O setor está otimista. De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias Químicas, Farmacêuticas e da Destilação e Refinação de Petróleo no Estado do Ceará (Sindquímica), Marcos Soares, além de aumentar a produção e a participação do Estado neste mercado, a partir do polo, novas matérias primas passarão a ser produzidas localmente. “Algumas das empresas que estão chegando produzem matérias primas que não temos aqui e que é a base de cosméticos e saneantes. Este material que vem de São Paulo passará a ser produzido também aqui”.

A ideia é que dentro do complexo seja implantando também o Instituto Orbitar, que ficará responsável pela interlocução entre as indústrias e instituições de ensino pesquisa no Estado.(O Povo - é parceiro de oxereta.com)


SAIBA MAIS


Primeiras empresas a se instalar no Polo Químico de Guaíuba

1. Fortfix
2. Wanaquímica
3. Daneto
4. Tá Limpo
5. Incraplast
6. Oswaldo Cruz Química