FORTALEZA

Viaturas do Ronda Escolar, criado em Fortaleza há 4 anos, estão sem uso, denuncia Sindiguardas

Inspeção da entidade mostrou veículos parados, com pneus furados e sem limpeza

Divulgação/Sindiguardas
Carros estão parados, com pneus furados

Viaturas da Inspetoria de Segurança Escolar (ISE), também conhecida como Ronda Escolar estão subutilizadas e em situação de descaso, acusa o Sindicato dos Agentes Municipais de Segurança Pública do Estado do Ceará (Sindiguardas-CE). A entidade fez inspeção dos veículos em galpão da Secretaria Municipal da Educação (SME), na Dedé Brasil, na última semana, e registrou carros parados, com pneus furados e sem limpeza.

Conforme a Prefeitura de Fortaleza, o grupamento, formado dentro da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF), foi criado em 2014, segundo ano da gestão Roberto Cláudio, e é focado no patrulhamento próximo a escolas da Capital. Segundo o Município, são 136 servidores realizando 1,8 mil rondas mensais.

O presidente do Sindiguardas-CE rebate. Segundo Jamal Forte, das 20 viaturas à disposição das equipes, apenas cinco circulam na Cidade. “É um retrato da falta de gerenciamento da Guarda e da SME. Um fica jogando para o outro a responsabilidade de dar manutenção a esses veículos”, criticou o representante da categoria.

As denúncias da entidade vêm ocorrem em momento delicado envolvendo a educação e a segurança pública da Cidade. Conforme O POVO mostrou na semana passada, o controle de territórios por facções criminosas está obrigando alunos da rede municipal a mudarem de escola ou, até mesmo, a abandonarem os estudos.

Também na semana passada, estudantes da Escola Municipal Dois de Dezembro, na Barra do Ceará, ficaram sem aulas após o local ter salas invadidas e as paredes pichadas com ameaças de uma facção criminosa.

Guarda Municipal

Procurada pelo O POVO Online, a assessoria de imprensa da GMF informou que os agentes seguem “normalmente” o patrulhamento nas escolas neste ano. “Quando à manutenção das viaturas, é um processo natural para um equipamento que roda 24 horas”, disse. A reportagem voltou a questionar a pasta sobre as viaturas paradas e o estado de conservação dos veículos apontados pelo Sindiguardas. Contudo, as novas perguntas não foram respondidas. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)