PECÉM (S.G.A.)

Mulheres de Aço: histórias de superação e realizações marcam a vida de mulheres que foram impactadas positivamente pela CSP

A força feminina está presente no dia a dia da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) em profissões que ainda são muito associadas aos homens. A CSP conta com 11,8% de mulheres em seu efetivo, índice que está acima da média no setor siderúrgico brasileiro (8%). Para além desses números, as mulheres que fazem parte da história da CSP contam com trajetórias de superação, desafios e conquistas.

Elas também mostram sua força nas comunidades da região onde a siderúrgica está instalada, que inclui São Gonçalo do Amarante e Caucaia. São pessoas que arregaçam as mangas para recriar sua própria realidade. Com a contribuição do apoio financeiro e da capacitação promovida pela CSP, são verdadeiras mulheres de aço que também demonstram que lugar de mulher é onde ela quiser.

Impulso para a comunidade

Gleici Paiva, 29, que buscou apoio da CSP para fazer a diferença na sua comunidade. Ela faz parte do conselho comunitário da Taíba e desenvolveu um projeto que deu identidade cultural à comunidade e uma profissão para muitos moradores – o Taibart. Por meio do projeto, que fez parte do ciclo III do Ideia da Gente, homens e mulheres que tinham aptidão para crochê, renda, pinturas e outras artes receberam matéria-prima e um local para expor seu trabalho. A demanda pelo Taibart também surgia dos próprios turistas que queriam comprar artesanato da região, mas não existia um local para exposição e venda.

Foi da sensibilidade do olhar de Gleici para a comunidade que nasceu esse projeto, que impactou muitas vidas e contribuiu para melhorar o cenário econômico da Taíba. “Sempre acreditei no potencial da comunidade. O caminho é bem árduo porque tem que depositar força e trabalho por uma ideia dessa e ser executada. Precisava de uma pessoa que tivesse iniciativa de comprar a ideia e dizer ‘vamos colocar esta ideia para frente’. Essa pessoa teve que ser eu”, explica. (Ascom CSP)