MUNDO

Fundador do Facebook assume responsabilidade sobre vazamento

Mark Zuckerberg tem audiência com o Senado dos Estados Unidos ainda hoje sobre vazamento de dados pela companhia Cambridge Analytica

ALEX WONG/AFP
Mark zuckerberg se encontra hoje com o Senado norte-americano

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, assumiu a responsabilidade pela falha de sua rede social em proteger dados privados dos usuários e impedir um uso indevido deles, ao preparar-se, ontem, para sua audiência ante o Congresso americano.

Em sua declaração aos legisladores, revelada por uma comissão do Congresso, Zuckerberg admitiu “ser idealista” e afirmou não compreender como a plataforma, que diz ser utilizada por 2 bilhões de pessoas, poderia ser alvo de abuso e manipulação.

Em meio à polêmica pelo uso de informações sem permissão de ao menos 87 milhões de usuários pela companhia britânica Cambridge Analytica, que trabalhou para a campanha de Donald Trump, em 2016, Zuckerberg vai prestar esclarecimentos ao Congresso americano. Ele se apresenta hoje ante comissão do Senado e, amanhã, diante de representantes da Câmara.

“Não fizemos o suficiente para evitar que estas ferramentas fossem usadas de maneira maliciosa (...) Não tivemos uma visão suficientemente ampla de nossas responsabilidades e isso foi um grande erro. Foi erro meu e eu sinto muito”, disse Zuckerberg, segundo texto de sua intervenção divulgado ontem.

“Iniciei o Facebook, o administro e sou responsável pelo que acontece”, apontou o empresário de 33 anos. “Nós nos concentramos nas coisas boas que as pessoas que se conectam podem trazer” ressaltou.

Entre as milhões de contas de Facebook afetadas pelos vazamentos, 443 mil são no Brasil. A plataforma anunciou que enviaria ontem mensagem com informações sobre o ocorrido aos internautas afetados.

Segundo a assessoria de Facebook no Brasil, as pessoas cujos dados foram vazados receberam uma mensagem na linha do tempo (newsfeed) contendo um link no qual podem saber quais informações foram coletadas e de que maneira estas foram utilizadas.



(Das agências)