FORTALEZA

Mortalidade infantil recua no primeiro semestre

Prefeitura aponta redução quando dados são comparados ao mesmo período de 2017

Gustavo Simão - Especial para O POVO
Hospital Distrital Nossa Senhora da Conceição

A taxa de mortalidade infantil em Fortaleza reduziu de 13 para 10 mortes a cada 1000 crianças no primeiro ano de vida, se comparado o primeiro semestre deste ano e o mesmo período de 2017. A informação foi divulgada pela secretária municipal da Saúde de Fortaleza, Joana Maciel, ontem, durante entrega do 7º Posto de Coleta de Leite Humano e da sala de apoio à mulher que amamenta, no Hospital Distrital Nossa Senhora da Conceição, no bairro Conjunto Ceará.

De acordo com a gestora, um dos fatores primordiais na redução da mortalidade infantil é a política de incentivo ao aleitamento materno. "Essa prática é fundamental, para que nossas crianças adoeçam menos e cresçam com mais saúde".

Joana Maciel reitera a importância de trabalhar a doação de leite para reduzir ainda mais a taxa. A meta, segundo a titular da pasta, é que em 2020 a estatística seja inferior a 10 mortes para cada 1000 nascidos vivos.

"É muito precoce ainda, mas a gente tem tido uma curva de redução das mortes infantis. A gente não pode dar esse fato consumado, tem que terminar o ano, porque há uma certa sazonalidade", ponderou o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio.

Na ocasião, ele ressaltou o papel dos postos para doação. "Uma das ações importantes é essa: a gente divulgar, informar, estimular, conscientizar as mães da importância do aleitamento materno exclusivo nos primeiros meses de vida. E, segundo, dar opções àquelas mães que não podem amamentar ou às crianças que não podem ter acesso a elas".

Os postos integram a rede de apoio à saúde da mulher e da criança em Fortaleza. No local, as mães que amamentam são acolhidas, orientadas e incentivadas a doar.

De acordo com Priscila Rodrigues, coordenadora do posto de coleta inaugurado ontem, as mães podem doar leite logo após o parto e até o segundo ano de vida da criança.

O leite doado é direcionado aos recém-nascidos prematuros e aos doentes que estão internados em UTI neonatal.

2016

Após décadas, a mortalidade infantil no Brasil voltou a crescer em 2016. Especialistas e governo apontam a epidemia de zika vírus e a crise econômica como fatores que justificam o retrocesso.  (O Povo - é parceiro de oxereta.com)