ROUBO DE CARRO

Tecnologia reduz assaltos e auxilia na recuperação de veículos

Agência Brasil
Tecnologia reduz assaltos e auxilia na recuperação de veículos

Com o objetivo de enfrentar a chamada "mobilidade do crime", uma tecnologia desenvolvida no Ceará - e compartilhada, até agora, com 16 estados da Federação - vem apresentando bons resultados. Trata-se do Sistema Policial de Indicativo de Abordagem (Spia). O uso da ferramenta criada por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) é apontado como fator determinante para as consecutivas reduções dos casos de roubo no Estado, sobretudo de veículos.

Funcionando em 65 municípios cearenses, todos com mais de 30 mil habitantes, o Spia utiliza imagens de cerca de 900 sensores, espalhados por ruas, avenidas e rodovias. Todos os veículos que passam pelos pontos de fiscalização têm as placas lidas e analisadas. Casos de roubo são instantaneamente identificados e comunicados às autoridades policiais mais próximas.

Segundo o coordenador de Gestão Estratégica da PRF, Aloísio Lira, o tempo médio de recuperação dos veículos, inclusive de cargas, é de 10 minutos. Até o fim do ano, deve chegar a 3 mil o total de equipamentos instalados no Ceará. A estimativa, conforme o agente, é que aproximadamente 7 mil veículos já tenham sido retomados no Estado com o uso do Spia.

"Os carros e motocicletas são utilizados para roubos. E quando você recupera esses veículos, com o assaltante ainda a bordo, isso diminui o roubo, de maneira geral, e também a reincidência. Prendemos o ladrão, e não o receptador", explica o agente.

O sistema começou a ser executado, em parceria com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), em maio de 2017, em Fortaleza. Naquele mês, houve 7.707 Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) no Ceará, sendo 4.637 casos na Capital. Do total de ocorrências no Estado, 1.149 eram referentes a roubos de veículos, conforme dados da SSPDS e PRF.

Já no último mês de agosto, com a expansão da utilização do sistema para o Interior, os CVPs caíram para 5.109. Uma redução de 33,7%. Na Capital, houve 3.198 registros, diminuição de 31%. Já os roubos de veículo recuaram em 44,5%, tendo sido registradas 637 ocorrências.

Não apenas o uso do Spia estaria proporcionando bons resultados. Juntamente com a ferramenta, foi desenvolvida uma "doutrina de policiamento" pela Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), para acompanhar "modernização" do crime. O deslocamento das viaturas, localizadas em tempo real, agora ocorre de maneira compartimentada, utilizando, principalmente, o efetivo do Batalhão de Policiamento de Ronda de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio).

"A mancha (locais de maior incidência) de roubo não é bem definida, pois o roubo é um crime de oportunidade. Então, o policiamento é distribuído de maneira estratégica e mantido sempre na sua área de atuação. Se um carro é roubado na Aldeota e segue para a Barra do Ceará, não faz sentido mandar uma viatura da Aldeota em perseguição, deixando a área desprotegida. A viatura é mantida, sendo informado ao policiamento da Barra sobre a ocorrência em deslocamento", descreve.

Para agilizar o recebimento das denúncias, a Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Cotic) da Ciops criou o "S-25 Provisório", que registra, por meio do 190, denúncias de roubos de veículos, mantendo o alerta ativo por 72 horas no sistema das polícias.

O desafio, agora, é manter as estatísticas em queda. De acordo com Lira, que é também coordenador do Projeto SPI (Segurança Pública Integrada), desenvolvido pela PRF, SSPDS e Universidade Federal do Ceará (UFC), 2019 será o "ano dos resultados".

Estarão à mão, em tese, medidas importantes anunciadas, como o Centro Integrado de Inteligência e Controle para o Combate ao Crime Organizado do Nordeste, prometido desde de janeiro e previsto para outubro. Resta saber se os números garantirão a formatação de uma política de resposta imediata duradoura, acompanhada de uma sensação de segurança que ainda não chegou. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)