CAUSA ANIMAL

A causa animal será uma de nossas grandes prioridades, diz Célio Studart

Eleito deputado federal com segunda maior votação do Estado, o atual vereador foi entrevistado da 13ª edição da série Grandes Nomes

Mauri Melo - O Povo
Studart diz que vai manter atuação em defesa dos animais

Vereador de Fortaleza e deputado federal eleito, Célio Studart (PV) foi o segundo entrevistado da 13ª da série Debates Grandes Nomes. O parlamentar que teve a segunda maior votação para a Câmara dos Deputados falou sobre sua trajetória política, a atuação forte na defesa dos direitos dos animais, o compromisso que renunciar algumas verbas no Congresso e também seu posicionamento sobre temas polêmicos que deverão ser debatidos nacionalmente a partir do próximo ano.

A causa animal, uma das principais pautas dele na Câmara Municipal deverá também ser sua prioridade em Brasília. "Essa é uma de nossas grandes prioridades, o Ceará nunca teve um deputado federal que defendesse o direito dos animais. Há uma grande gama de estudos, de especialistas e cientistas estudando o direito dos animais, e estaremos lá defendendo isso", prometeu.

Studart falou em enviar verbas para o Ceará para incentivar projetos de defesa e de saúde animal e reforçou seu "grande sonho" de construir um hospital veterinário. Um dos projetos do vereador é a proibição do uso animal para puxar carroças. Sobre o assunto, ele reconhece que, na zona rural, impedir essa prática será difícil, mas acredita que "é necessário". "Compete ao Poder Executivo pensar em alternativas para compensar aquele trabalhador da área rural", disse.

O vereador citou um projeto do sul do País chamado "cavalo de lata", em que o animal é trocado por uma bicicleta para puxar carroças. "Essa alternativa é viável, traz dignidade ao animal que tem seu direito e traz dignidade ao homem, que quando não usa o animal, usa sua própria lombar", defendeu.

Studart também falou sobre os projetos polêmicos que devem ser debatidos no Congresso Nacional a partir do próximo ano, como a reforma da Previdência, a flexibilização do Estatuto do Desarmamento e a diminuição da maioridade penal. Sobre o projeto da Previdência, ele afirmou: "Se essa reforma nos parecer prejudicial a uma parcela da população mais carente, possivelmente iremos contra ela, se ela parecer que não vai prejudicar mas irá organizar esse rombo, aí podemos pensar".

Sobre o projeto de flexibilizar o armamento, o deputado eleito acredita que houve uma confusão da população acerca dos conceitos de posse e de porte de armas. "Muitos eleitores imaginavam que, quando fosse afrouxado o Estatuto do Desarmamento, as pessoas iam andar armadas, mas não é bem assim. Talvez tenha uma flexibilização para se ter uma arma em casa, e uma diminuição da idade para a compra para, talvez, 21 anos", esclareceu.

Sem cravar se é "contra" ou "a favor" à mudança, o deputado eleito disse que estudaria e discutiria essa proposta e que poderia aprovar algumas modificações, mas que é contrário ao porte de armas."Acho que nem o presidente eleito jair Bolsonaro (PSL) é a favor do porte de armas", afirmou. Studart também disse que não teria uma arma em casa, mas que isso não significa que ninguém possa ter. Sobre a diminuição da maioridade penal, ele revelou a possibilidade de apoiar propostas que discutam a pena de jovens a partir de 16 anos que tenham cometido crimes hediondos.

Os Debates Grandes Nomes são organizados pelo Grupo de Comunicação O POVO e transmitida ao vivo pela Rádio O POVO/CBN e nos facebooks da rádio e do O POVO Online. Amanhã o entrevistado será o poeta Bráulio Bessa. (O Povo - é parceiro de oxereta.com|)


SERVIÇO

13º edição do Debates Grandes Nomes

Quando: Hoje, das 10 às 11 horas

Entrevistado: poeta Bráulio Bessa

Acompanhe: Rádio O POVO/CBN (FM 95.5 e AM 1010) e nos facebooks da Rádio O POVO/CBN e O POVO Online

Participe: (85) 3066.4030. WhatsApp: (85) 98166.5589