ELEIÇÕES 2018

Ciro questiona viabilidade da candidatura de Haddad

Disputa pelo voto. Presidência

Ciente de que disputa diretamente votos com a recém-oficializada candidatura de Fernando Haddad (PT) à Presidência, o candidato do PDT, Ciro Gomes, criticou duramente o petista ontem. O pedetista adotou a estratégia de acusar o ex-prefeito de São Paulo de fragilidade política e também questionar sua capacidade de derrotar Jair Bolsonaro (PSL) num eventual segundo turno.

"O atributo do Haddad presidente indicado por Lula, isso vai dar m(*), não tenho a menor dúvida", disse Ciro, citando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Lava Jato, durante evento na Academia Brasileira de Ciências (ABC).

"Bolsonaro é o cabra marcado para perder a eleição no segundo turno, se a gente não cometer nenhuma imprudência; porque a rejeição dele é a maior de todas", afirmou.

Em Osasco (SP), Fernando Haddad evitou responder a ataques de Ciro Gomes, que, na quarta-feira, 12, comparou o petista à ex-presidente da República Dilma Rousseff (PT).

"Este tipo de ataque pessoal não vamos fazer", disse Haddad. "Nossa estratégia até o final da campanha é só comparar proposta. Se você me apresentar uma proposta dele (do Ciro) para comentar, eu comento".

Em sabatina do jornal O Globo, Ciro disse que o Brasil não aguenta outra Dilma.

Haddad também comentou a abertura de reclamação disciplinar do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) contra promotores de São Paulo que ofereceram, semana passada, denúncias contra ele e o ex-governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB). "Isto depura o MP. Promotor não pode fazer política", disse. O petista também afirmou que em um eventual governo dele vai fortalecer o Ministério Público, que, para ele, "precisa ser apartidário para ser forte".  (AE)


Crítica

Alckmin (PSDB) reafirmou que muita gente que está votando Bolsonaro não sabe que está elegendo o PT. "Muita gente está votando no Bolsonaro e dando passaporte para a volta do PT e o que eu puder fazer para evitar isso vou fazer", disse.