ITATIRA

Cearense de Itatira está há uma semana desaparecido em São Paulo

"Mae mim perdoa vão mim mata", publicou Jadson Pereira de Sousa em sua conta no Facebook. Esta é a última notícia que sua família teve dele

Arquivo familiar
Registro de Denilson feito na rodoviária, no último dia em que foi visto

A família do cearense Jadson Pereira de Sousa, de 20 anos, está apreensiva em busca de informações sobre o paradeiro dele em São Paulo. Sem ser visto desde o dia 2 de outubro último, ele não deu mais notícias depois de publicar em sua conta no Facebook, no mesmo dia, às 4h42min: "Mae mim perdoa vão mim mata".

Em 30 de setembro, Jadson viajaria de volta para Itatira, a 176 quilômetros de Fortaleza, onde morava com a família. No entanto, o jovem não chegou a tempo na Rodoviária do Tietê, em São Paulo (SP), e perdeu o ônibus, conta Mirislena Pereira, irmã dele. Ele ficou na rodoviária até ser ajudado por uma mulher que se apresentou como policial. Essa mulher diz, conta Mirislena, que Jadson subiu, na tarde daquele dia, em um ônibus com destino Ubatuba, cidade onde morava em São Paulo. Mas o jovem não foi visto na cidade.

A suposta policial chegou a entrar em contato com o patrão de Jadson, enquanto ele ainda estava na rodoviária. Ele parecia bastante "perturbado", contou. A mulher chegou a tirar uma foto de Jadson, que Mirislena reconheceu como sendo, de fato, o irmão. A suposta policial foi a última pessoa a vê-lo, ressalta a irmã de Jadson.

Família e amigos passaram a divulgar o caso nas redes sociais. Um boletim de ocorrência noticiando o desaparecimento também foi feito. No Facebook, em um comentário de uma postagem relatando o desaparecimento, uma moradora de Ubatuba chegou a dizer que o viu um homem parecido com ele no último sábado, 6. Mas, até agora, ele segue desaparecido. Mirislena conta ter passado a receber trotes em que que um homem diz manter Jadson em cárcere privado, por causa de uma dívida. Como o número foi compartilhado nas redes sociais e divulgado na televisão, eles suspeitam que pode se tratar de um golpe. O número é do Ceará, destaca.

Mirislena diz que o jovem nunca disse ter recebido ameaças. O patrão dele também disse que Jadson nunca se envolveu em brigas ou coisa do tipo. Ele também nunca tinha sumido desse jeito. "Ele ligava todo dia para a família". Para ajudar nas buscas, Mirislena viaja para São Paulo amanhã. Por telefone, ela não conseguiu que a rodoviária cedesse imagens de câmera de vigilância ou o bilhete da passagem para Ubatuba.

Jadson foi morar em Ubatuba, a 223 quilômetros da capital paulista, em agosto último. Ele foi para a cidade após receber proposta para ser vendedor ambulante nas praias de Santos. Mas não se adaptou ao trabalho e queria voltar, conta a irmã. Ele tem um filho de um ano e quatro meses, que mora em Itatira.

"Neste momento, eu não aguento sentir a dor de não saber onde meu filho está", diz a mãe dele em um vídeo publicado pelo portal Itatira News. "Meu filho é uma pessoa direita, uma pessoa boa, é um pai de família. Me ajudem, pelo amor de Deus, já está com dez dias de sofrimento hoje. Toda a família está sofrendo". (O Povo - é parceiro de oxereta.com)


Números

30 de setembro foi o último dia em que a família falou com Jadson. Dois dias depois, ele faria a postagem no Facebook