PERFORMANCE

Corpos Insurgentes

Com espetáculos em cartaz este mês em Fortaleza, as artistas Jussara Belchior (SC) e Séverine Coulon (FRA) refletem sobre o lugar do corpo feminino nas artes

Jean Henry/ Divulgação
Espetáculo Filles & Soie, da atriz, marionetista e diretora teatral francesa Séverine Coulon será encenado neste fim de semana

Gorda. Palavra inteira, sem diminutivos ou eufemismos. Adjetivo que não é - ou pelo menos nunca deveria ser - uma ofensa. Assumir e ressignificar o termo é disputar narrativas hegemônicas que historicamente aprisionam corpos, principalmente femininos, em um padrão estético e comportamental. Nesse contexto, a arte se insurge. Em outubro, duas obras cênicas chegam a Fortaleza para abordar a presença do corpo da mulher na sociedade: Peso Bruto e Filles & Soie. Os espetáculos fazem parte da programação da VI Bienal Internacional de Dança do Ceará e do Festival Internacional de Teatro Infantil do Ceará, respectivamente.

Peso Bruto(2017) é o primeiro solo da bailarina Jussara Belchior. Hoje com 33 anos, a catarinense dança desde a infância e integrou durante 10 anos o Grupo Cena 11, uma das companhias mais prestigiadas no País. Jussara sempre dançou - e sempre foi gorda. No palco, apenas um hidratante e um frágil banco de plástico testemunham a criação da performer a partir de toda a potência inventiva do seu corpo.

"Me bateu uma urgência, eu não sei explicar, era o momento. Essa urgência não é só minha, é um processo de empoderamento coletivo. A questão da mobilidade me interessa, esse ideário que gordo é preguiçoso, que não consegue se mexer, que não é flexível Isso é ligado ao imaginário das pessoas, ao senso comum estereotipado. Quando a gente cria esses lugares como a dança, lugares nos quais a gente pode pensar sobre isso, cria também espaço para romper padrões", opina.

Jussara Belchior, que também é doutoranda e pesquisa poéticas gordas, aposta na arte e no diálogo como transformadores de hábitos. "Em casa, na escola e com as crianças e adolescentes, em todos esses ambientes é importante entender outros jeitos de se relacionar, de conviver. Isso é muito mais do que esse lugar de aceitação e inclusão, que ainda admite um certo modelo ideal de corpo", pondera. Peso Bruto não é um processo terapêutico: é sobre provocar.

O diálogo com o público infantil também é fundamental para a atriz, marionetista e diretora teatral francesa Séverine Coulon. A artista apresenta hoje e amanhã, em Fortaleza, o teatro de animação Filles & Soie (Meninas & Seda, 2016). A obra cênica é inspirada em uma publicação chamada Os três contos, da ilustradora Louise Duneton, que recria a narrativa dos clássicos Branca de Neve, A Pequena Sereia e Pele de Asno a partir do olhar das protagonistas. A personagem de Coulon, Anne, não gosta de sua pele e acredita que encontrará a felicidade em um vestido. Com muita ludicidade, a performer aborda inúmeras pressões estéticas culturalmente construídas.

"Eu penso que é primordial falar com as crianças sobre nossa relação com o corpo. Desde a mais tenra idade, elas estão sob a pressão de uma sociedade de consumo que nos incita a comprar sempre mais para não engordar e não envelhecer, por exemplo, para ter a pele mais branca ou mais bronzeada Tudo isso gera em nossas garotas, assim como nos garotos, muitos complexos que literalmente arruínam nossas vidas. Esse foi meu caso no passado e espero poder dizer às crianças e aos adultos, com este espetáculo, que é importante nos amarmos como somos e que devemos ter cuidado com os cenários que nos são impostos. As crianças entendem muito bem o que se trata! Na temporada de verão, na França, um menino de cinco anos disse à mãe que 'o que foi bom é que a princesa, para ser bonita, deixou seu corpo tranquilo'", argumenta Coulon em entrevista ao O POVO. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)



Filles & Soie (Meninas & Seda)

Quando: hoje e amanhã, 17h

Onde: Porto Dragão (Rua Boris, nº 90)

Classificação indicativa: A partir de 6 anos

Programação gratuita



Peso Bruto, de Jussara Belchior

Quando: 26 de outubro, às 19 horas

Onde: Porto Dragão (Rua Boris, nº 90)

Classificação indicativa: A partir de 16 anos

Programação gratuita