MUNDO

ONU anuncia US$ 738 milhões para países que recebem venezuelanos

DW Y - Boechat
ONU anuncia US$ 738 milhões para países que recebem venezuelanos

Venezuelanos na cidade de Pacaraima, em RoraimaPela primeira vez, Venezuela é incluída no plano humanitário anual das Nações Unidas, e países vizinhos que acolheram refugiados devem receber auxílio para lidar com fluxo de migrantes.A ONU anunciou nesta terça-feira (04/12) que pretende arrecadar 738 milhões de dólares para destinar, no ano que vem, aos países da América do Sul e Caribe que receberam venezuelanos.

Essa é a primeira vez que a crise na Venezuela é incluída no no plano humanitário anual das Nações Unidas. O orçamento total de 2019 é estimado para em 21,9 bilhões de dólares, sem incluir os recursos para a Síria.

"Pretendemos ajudar os países vizinhos da Venezuela a enfrentar as consequências do fluxo de venezuelanos que os procuram", afirmou Mark Lowcock, sub-secretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, em Genebra, durante a apresentação do plano humanitário global para 2019.

A grave crise econômica que afeta a Venezuela, marcada pela escassez de alimentos, medicamentos e outros produtos básicos, provocou um êxodo de centenas de milhares de venezuelanos. A ONU estima que 3 milhões já deixaram o país desde 2015.

A América Latina é a região que mais recebeu esses migrantes, totalizando 2,4 milhões. Destes, mais de 1 milhão foram para a Colômbia, 500 mil para o Peru, 220 mil para o Equador, 130 mil para a Argentina, 100 mil para o Chile, 94 mil para o Panamá, e 85 mil para o Brasil.

De acordo com um relatório da ONU, estima-se que, em 2019, 3,6 milhões de venezuelanos que deixaram ou deixarão o país precisarão de assistência e proteção, sem que seja previsível o retorno no curto e médio prazo.

Lowcock disse que praticamente todos os países da América do Sul e vários do Caribe receberão recursos, que serão proporcionais ao número de refugiados que abrigaram.

A ONU disse ainda que reforçará a ajuda à Venezuela nas áreas de saúde e nutrição, podendo ampliar essa proposta, se houver vontade política das autoridades locais. No final de novembro, as Nações Unidas aprovaram destinar 9,2 milhões de dólares em ajuda humanitária para o país.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, vinha negando a crise e, por isso, se recusava a receber a ajuda emergencial. Nos últimos meses, a ONU constatou que a vulnerabilidade dos refugiados se acentuou, depois de a maioria deles ter percorrido milhares de quilômetros durante várias semanas, atravessando vários países até chegar ao seu destino.

A ONU prevê que o fluxo de migrantes e refugiados para outros países da região continuará no próximo ano. "Isso provocará um impacto na capacidade de absorção das comunidades locais", concluiu no relatório sobre a situação na Venezuela.

Sob a designação "Plano Regional de Resposta a Refugiados e Migrantes", a operação humanitária será realizada pela Organização Mundial para as Migrações (OIM) e pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

Além da escassez de alimentos e medicamentos, a Venezuela enfrenta hiperinflação. Com uma economia dependente do petróleo, o país sofreu com a queda global do preço deste recurso, que se somou à má gestão financeira e política.



DW Brasil