HÁ 180 ANOS

Dragão da resistência

Reprodução - Fabio Lima/O POVO - capa
Pescadores do Mucuripe. 180 anos de Dragão do mar.

Nascido há 180 anos, num 15 de abril como nesta segunda-feira, Dragão do Mar vive pela Cidade de diferentes formas. De um lado, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC), uma área com mais de 14 mil m² dedicados unicamente à cultura. Mais à frente, o antigo porto da Capital, hoje Ponte Metálica, ponto de saída de homens e mulheres escravizados para as províncias do Centro-Sul.

Oficialmente, o legado de Francisco José do Nascimento, o Dragão do Mar, é lembrado em homenagens distintas. Da Data Magna do Ceará, em 25 de março, às efemérides e expressões populares. Neste ano, o samba-enredo da Mangueira, "História pra Ninar Gente Grande", tratou do protagonismo popular nas lutas sociais a partir de personagens que costuram a história. "A liberdade é um dragão no mar de Aracati", canta o enredo vencedor.

Mesmo com o reconhecimento em vida e de proporção nacional e internacional, Chico da Matilde morreu no ostracismo. Demorou até que seu nome voltasse a repercutir. De acordo o historiador Airton de Farias, o herói jangadeiro morreu em momento de "profundo isolamento".

"A imagem dele passa a ser lembrada na era Vargas (nos idos dos anos 40 e 50). O getulismo é o primeiro momento em que ele vira memória. E há uma ressignificação do Dragão do Mar, associam ele a um jangadeiro muito humilde, muitos chegando a pensar que ele era escravo", explica. "O uso da memória dele é posterior, pelo menos 20 anos após o óbito".

A antropóloga gaúcha Vera Rodrigues, professora do Instituto de Humanidades da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, percebe contradição no discurso simbólico que envolve o personagem. "Houve um legado histórico de liberdade, mas não há um legado de cidadania, de responsabilidade social. Como um Estado pode homenagear o personagem histórico e não valorizar a população que vem da origem disso?", questiona.

"Mesmo com o pioneirismo, decretar abolição no papel não é decretar abolição na completude. Não houve política de reparação. Ainda se trabalha num imaginário pela mídia, pela via da história, parece que ocorreu uma liberdade concedida, o que é muito mais estranho. Liberdade não é concessão, é conquista", pontua.

Para a estudante de Humanidades da Unilab e membro do Movimento Negro Unificado (MNU), Geyse Anne da Silva, há uma necessidade de continuidade do trabalho de reafirmar o lugar do negro na sociedade. "O que a gente precisa pensar, para além do simbolismo, é que o Dragão do Mar lutou contra a exploração do corpo negro. O que ele nos deixa é essa resistência. Quando a gente luta contra o racismo na escola, no trabalho, a gente coloca esse legado em prática", opina. "Nós precisamos saber reafirmar nosso lugar na sociedade também por quem há muito tempo já lutava". (O Povo - é parceiro de oxereta.com)