CAPITAL E INTERIOR

Manifestação pela educação está marcada para quarta-feira, 15; confira locais dos atos no CE

Conheça as principais manifestações que acontecem em Fortaleza nesta quarta-feira, suas reivindicações e quem está sendo representado nos atos.

WIilton Junior/Agência Estado
Estudantes do Rio de Janeiro protestaram contra os cortes de verbas das instituições federais na segunda-feira, 6. Nesta quarta-feira, as manifestações devem ocorrer em todo o Brasil

Diversos sindicatos e representantes de estudantes e trabalhadores estão organizando uma mobilização nacional para esta quarta-feira, 15. Fortaleza também deverá estar no centro das paralisações e manifestações, que têm, como foco principal, protestos contra os cortes de verbas nas universidades e institutos federais, além da Reforma da Previdência.

Conheça as principais manifestações que serão realizadas em Fortaleza nesta quarta-feira, suas reivindicações e quem está sendo representado nos atos.

A União Nacional dos Estudantes (Une) convocou estudantes de todo o Brasil para participarem de uma manifestação, priorizando a reversão dos cortes de verbas nas intituições federais. Embora estejam programadas diversas mobilizações, a presidente da entidade, Marianna Dias, descartou uma greve estudantil. "A mobilização vai ser todo dia, nas universidades e nas ruas, mas as paralisações vão ser pontuais", definiu.

Conforme informou a UNE à reportagem da Folha de S.Paulo, a mobilização do Ceará organizada pelos alunos terá concentração na Praça da Bandeira (Rua Senador Pompeu, 1666 - Centro), às 8h.

Apeoc

O Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Estado e Municípios do Ceará (Apeoc) pretende participar da concentração organizada pela Une. Da Praça da Bandeira, eles seguirão em caminhada e farão um grande ato unificado na Praça do Ferreira (rua Floriano Peixoto - Centro). Escolas de Fortaleza têm sido convocadas para participar da mobilização, onde pretendem alertar a população para a "retirada de direitos" com a aprovação do projeto da Reforma da Previdência, conforme informa o site do Sindicato.

Além da Capital, outros municípios irão receber, também, atos. Segundo a Apeoc, haverá protesto em Acaraú, na Praça do Centenário; Cariri, no Crede 19 (rua Rui Barbosa, S/N - Santa Tereza) em Juazeiro do Norte; Iguatu, na Escola Pacifico Guedes (rua Guilherme de Oliveira, 300 - Centro); Morrinhos, no Hotel e Churrascaria Varandas (rua Joaquim Coriolano Rocha, 422-476); Nova Olinda, na escola Pe. Cristiano Coelho (rua Leonel Pereira - Centro); Pena Forte, na Câmara Municipal (rua João Bringel, 9 - Centro); e em Chorozinho, na escola Guibson Marinho dos Santos (rua Sábino Moreira - Vila Requeijao).

CUT

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Ceará também participará da manifestação contra a Reforma da Previdência e o corte de verbas para educação. Segundo Wil Pereira, presidente da CUT Ceará, o ato de Fortaleza e Região Metropolitana será unificado, reunindo todos os sindicatos que representam a categoria, federações, centrais sindicais, frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, entidades estudantis e movimentos sociais.

Conforme informou a CUT em seu site, a marcha sairá da Praça da Bandeira às 8h e seguirá pelas ruas do Centro e do Benfica em direção aos prédios do Instituto Federal de Educação (IFCE) e da Reitoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), onde haverá ato político e encerramento.

Sindiute

De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute) também irá aderir ao movimento, com concentração às 8h na Praça da Imprensa (cruzamento entre a Av. Desembargador Moreira e a Av. Antônio Sales) caminhada com ato público na Assembleia Legislativa (Av. Des. Moreira, 2807 - Dionísio Torres).

IFCE

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) irá promover o Dia de Luta em Defesa do IFCE em todos os campi espalhados pelo Ceará. A reivindicação principal será o posicionamento contra o corte de recursos do orçamento geral do instituto.

Os servidores devem promover atividades voltadas para a comunidade acadêmica e para a população dos mais de 30 municípios em que o IFCE está presente diretamente.

Logo no início da manhã, às 8h, haverá uma Assembleia Geral da categoria no Campus Fortaleza, onde serão debatidos os cortes de recursos, a construção da greve geral nacional para o dia 14 de junho, além de discutir uma instrução normativa que estabelece ponto eletrônico e outras limitações a direitos dos servidores.

Do local, os participantes seguem em caminhada até a Praça da Bandeira, no Centro de Fortaleza, para se juntarem a outras categorias no grande ato público de luta em defesa da educação e contra a reforma da Previdência, promovido por diversas centrais sindicais, frentes de luta e associações populares.

Todos os campi do IFCE no Ceará terão a programação do Dia de Luta em Defesa do IFCE começando, também, à partir das 8h. Os campi estão presentes nos municípios: Acaraú, Acopiara, Aracati, Baturité, Boa Viagem, Camocim, Canindé, Caucaia, Cedro, Crateús, Crato, Guaramiranga, Horizonte, Iguatu, Itapipoca, Jaguaribe, Jaguaruana, Juazeiro do Norte, Limoeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape, Morada Nova, Paracuru, Pecém, Quixadá, Sobral, Tabuleiro do Norte, Tauá, Tianguá, Ubajara e Umirim; além, é claro, de Fortaleza.

UFC

A Universidade Federal do Ceará (UFC) tem um calendário dedicado às paralisações para esta semana. Nesta segunda, 13, seria realizada uma plenária unificada da comunidade acadêmica com a participação de professores, servidores e estudantes. Na terça, uma assembleia geral de estudantes da UFC está convocada para acontecer a partir das 15h, na Concha Acústica.

Na quarta-feira, 15, unindo-se ao chamado nacional da Une, acontecerá uma paralisação geral a partir das 8h, também na Praça da Bandeira. Assim como as outras instituições de ensino, o foco das manifestações é o corte de 30% da verba da educação.

CSP Conlutas

A Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas) e seus sindicatos filiados, assim como as demais Centrais Sindicais, manifestaram solidariedade total a manifestação dessa quarta-feira, 15. Segundo publicação no site da Central, diversos segmentos de trabalhadores como petroleiros, metalúrgicos, servidores públicos de diversos setores, além de movimentos sociais e populares também fortalecerão a greve contra os ataques à Educação e às aposentadorias.

De acordo com a mesma publicação, os servidores Públicos de Educação e de Cultura do Estado irão fazer um ato unificado ao se concentrar na Praça da Bandeira, às 8h, e sair em caminhada até a Praça do Ferreira. Os trabalhadores e as trabalhadoras da educação também deverão fazer caminhada da Praça da Imprensa até a Assembleia Legislativa, com concentração também às 8h. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)