FORTALEZA

Fortaleza perde 320 leitos pediátricos nos últimos dez anos

Segundo o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, a Capital foi o município cearense com a maior perda absoluta

Fortaleza perdeu 320 leitos pediátricos no Sistema Único de Saúde (SUS), uma redução de 30% nos últimos dez anos, é o que mostram dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Em junho de 2009, a Capital dispunha de 1.058 leitos de internação pediátrica, que são aqueles destinados às crianças que precisam permanecer mais de 24 horas na unidade de saúde. No mês passado, a capital cearense encerrou com 768 leitos do tipo. Essa é a maior redução, entre municípios do Estado, em termos absolutos.

No Ceará, a perda foi de 549 leitos pediátricos no mesmo período, o que representa uma redução de 18%. O número passou de 3.020 em junho de 2009 para 2.471 em junho deste ano.

A pior situação, em termo percentuais, é verificada em Frecheirinha, município localizado a 301,4 quilômetros de Fortaleza e com aproximadamente 13 mil habitantes. Dos nove leitos infantis existentes em junho de 2009, a cidade perdeu sete e fechou o mês passado com apenas dois leitos do tipo.

Quixadá, Ipu, Cascavel, aparecem em seguida, com 77%, 75% e 68% de queda de leitos infantis, respectivamente. Caucaia, Jucás, Cariré, Trairi, Cedro e Ubajara completam a lista dos dez municípios cearenses em pior situação no cenário de fechamento de vagas de internação pediátrica no SUS.

A tendência de redução é nacional. O Brasil teve redução de 27% nos últimos dez anos. Realidade de baixa verificada também em todas as regiões.

O médico pediatra e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), Álvaro Madeiro, avalia que existe um "duplo-mecanismo" quando se observa esse cenário. Enquanto algumas doenças perderam a necessidade de internamento ao longo dos últimos anos, percebe-se um aumento de complicações nos primeiros meses de vida das crianças.

"À medida em que você reduz as doenças agudas - pneumonias, diarreias, doenças preveníveis por imunização -, isso dá uma boa melhora na necessidade de leitos. Por outro lado, você começa a ter um crescimento dos problemas das crianças no primeiro mês de vida", observa.

A Secretaria de Saúde (Sesa )informou que a rede própria do Governo do Ceará conta, em junho de 2019, com 349 leitos pediátricos do Hospital Infantil Albert Sabin (Hias) e 30 leitos pediátricos do Hospital Regional Norte (HRN). "O Hias dispõe ainda de outros 22 novos leitos pediátricos em funcionamento, dos quais oito de UTI, cuja inclusão no CNES já foi solicitada".

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), de Fortaleza, não respondeu até o fechamento desta edição.

Redução de leitos pediátricos em nível nacional

Um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) mostrou que nos últimos nove anos o Brasil desativou 15,9 mil leitos de internação pediátrica. Segundo a SBP, dados do Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (CNES), mantido pelo Ministério da Saúde, indicam que em 2010, o País dispunha de 48,8 mil leitos no Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2019, segundo dados relativos ao mês de maio, o número baixou para cerca de 35 mil.

Segundo os dados, os estados das regiões Nordeste e Sudeste foram os que mais sofreram com a redução de leitos de internação no SUS, com 5.314 e 4.279 leitos a menos, respectivamente. Em seguida estão as regiões Sul (-2.442 leitos), Centro-Oeste (-1136) e Norte (-643). (Agência Brasil)