NOVEMBRO AZUL

Novembro Azul: saiba como se prevenir contra o câncer de próstata

Na maioria dos casos, o câncer de próstata cresce de forma lenta e não chega a dar sinais durante a vida, por isso avaliação de riscos e o diagnóstico precoce são tão importantes

Evilázio Bezerra/O POVO
Em novembro, há o alerta para os homens cuidarem da saúde

Depois do tumor de pele não melanoma, o câncer de próstata é o mais incidente entre os homens em todas as regiões do País. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima 68.220 novos casos apenas em 2019, valor que corresponde a 66,12 casos a cada 100 mil homens. Na maioria dos casos, o tumor cresce de forma lenta e não chega a dar sinais durante a vida. Em outros casos, pode avançar rapidamente e se espalhar para outros órgãos, causando a morte.

O risco aumenta com o avançar da idade. Segundo o Ministério da Saúde (MS), a cada dez homens diagnosticados com câncer de próstata, nove tem mais de 55 anos. A doença é confirmada a partir da biópsia, que é indicada após médicos especialistas identificarem alterações no exame de antígeno prostático específico (PSA) e no toque retal.

Saiba como se prevenir

1. Esteja atento ao grupo de risco. De acordo com o urologista e andrologista Eduardo Miranda, estão mais suscetíveis à doença os homens de raça negra, de maior idade, obesos ou com síndromes metabólicas. Assim como aqueles que tiveram câncer de próstata na família, sobretudo pais e irmãos. Nestes casos, recomenda-se que o exame do toque e do PSA sejam iniciados mais cedo, aos 45 anos de idade.

2. Mesmo que não faça parte do grupo de riscos, o urologista recomenda que desde a adolescência os homens façam o acompanhamento regular da sua saúde. “Do mesmo jeito que as mulheres desde a primeira menstruação passam a frequentar o ginecologista, os homens devem se consultar regularmente com o andrologista para fazer uma avaliação de riscos”, diz Eduardo Miranda. Segundo ele, os exames de toque retal e PSA são para fins de constatação do câncer ou demais alterações na próstata.

3. Desenvolva hábitos saudáveis e mantenha-se no peso. Além disso, controle as comorbidades, a pressão e a diabetes. Segundo o urologista, no longo prazo isso diminui a inflamação do corpo e a chance de desenvolver o câncer. “Não há recomendação de hábitos específicos para prevenção, mas o conjunto deles, a equação, tem que bater para o lado da saúde”, afirma o urologista.

4. Faça consultas periodicamente, conforme a recomendação dos especialistas, para identificar qualquer alteração no exame de sangue (PSA) ou no toque retal. A avaliação de riscos e o diagnóstico precoce são essenciais para que se indique o tratamento adequado para cada situação. Segundo Eduardo Miranda, não há sintomas que apontem o câncer, e, por isso, o rastreamento e a campanha são tão importantes. “Em casos mais avançados, o tumor começa a crescer dentro da próstata e pode começar a causar sintomas como sangramento na urina, dor pélvica, dificuldade para urinar e dor nas costas”, explica Eduardo.

5. Esteja atento em casos de dificuldade para urinar, esvaziamento incompleto da bexiga e vontade excessiva de ir ao banheiro durante a noite. O exame do toque, para além de perceber a existência do câncer, também é uma forma de avaliar o crescimento benigno da próstata, que pode causar esses sintomas miccionais. “Com o toque você consegue observar dados gerais da próstata, se ela está com dimensões aumentadas, endurecidas, e se há inflamações”, diz Eduardo. Segundo o urologista, essa condição é comum em homens de idade avançada. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)