OPORTUNIDADE SEGUE ATÉ DIA, 22

Programas de atração e capacitação profissional da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) investem em talentos locais

Assessoria de Imprensa
Stayne Arruda, ex-trainee da região e atualmente operador de produção na CSP

A experiência de exercer a profissão em um ambiente multicultural e de aprendizado constante são características das atividades na Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). Atualmente, a CSP conta com 2.500 empregados diretos e contribui para a geração de 24 mil empregos diretos, tercerizados e indiretos. A CSP está presente na vida do Estado. Hoje, aproximadamente 60% dos empregados da empresa são do Ceará. Na área operacional, o percentual já é de 85% de cearenses. Esses resultados, alcançados em apenas três anos de operação, estão acima da média considerando que o mercado siderúrgico é novo na região.

Esse crescimento na atração de talentos locais é resultado de uma série de programas desenvolvidos para a abertura de “portas de entrada” à empresa. Desde a capacitação desenvolvida por meio de parceria com o Serviço Nacional de Apredizagem Industrial do Ceará (SENAI-CE), que treinou mais de 1.400 profissionais, ao Programa de Trainee, atualmente com inscrições abertas para a sua segunda turma. “Nosso objetivo é contribuir para o desenvolvimento sustentável da região e, para isso, trabalhamos priorizando a inclusão e a diversidade”, explica o gerente de Recursos Humanos da CSP, Rodrigo Almeida.

RECÉM- FORMADOS

O Programa de Trainee está com inscrições abertas até o dia 22 de novembro para a sua segunda turma. São 30 vagas para Administradores, Economistas, Contadores e Engenheiros Metalurgistas, Mecânicos, Químicos, Eletricistas e Ambientais, entre outros cursos. Os candidatos precisam ser formados entre 2017 e 2019 e as inscrições podem ser feitas por meio do link http://www.cspecem.com/pt-br/trabalhe-conosco/.

O Trainee CSP foi iniciado em setembro de 2018, com o ingresso de 26 profissionais. Destes, 15 já foram admitidos no quadro de empregados CSP e outros seis tiveram seu período de atuação prorrogado. Stayne Arruda, 27 anos, é um exemplo do sucesso do programa. Morador de Acende Cadeia, ele projetou na siderúrgica um futuro promissor. Ainda em 2009, quando a CSP estava na fase de terraplenagem, investiu na carreira siderúrgica e seguiu um caminho que o fez chegar, hoje, ao cargo de analista de Produção da CSP.

“Escolhi o curso de Engenharia Metalúrgica da UFC (Universidade Federal do Ceará) por conta da CSP. Depois que eu me formei, fui aprovado para o Programa de Trainee, que foi a porta de entrada para o meu sonho. Durante o programa, tive a capacitação e desenvolvi um projeto na área. Recebi muitos desafios instigantes e cresci muito profissionalmente e pessoalmente”, conta. Stayne segue no esforço de crescer na atividade. “Todo dia eu tenho a oportunidade de aprender mais e volto para casa com a sensação de que eu fiz o meu melhor”.

O Programa de Trainee CSP tem duração de um ano e oferece desenvolvimento profissional por meio de treinamentos técnicos, atuação em projetos, trabalho em equipe e mentoria com profissionais de grande vivência no setor siderúrgico. Desde que o programa teve início, os trainees atuam nas áreas da Operação, Logística, Suprimentos e Comercial.

Jovem Aprendiz e Aprendiz PCD

Além do Trainee CSP, outros programas têm o objetivo de contratar profissionais com potencial para desenvolver carreira na empresa, atuando na melhoria dos processos e competitividade. São eles o Jovem Aprendiz e o Aprendiz PCD. Esses programas trazem um grande aproveitamento de profissionais para a empresa.

Na última abertura do programa, realizada em setembro e outubro de 2019, foram ofertadas 35 vagas para o Jovem Aprendiz e 50 vagas para a turma Aprendiz PCD. Candidataram-se profissionais de São Gonçalo do Amarante, Caucaia e municípios próximos. O programa conta com a parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Ceará (SENAI-CE), responsável pela capacitação dos jovens aprendizes em parceria com a siderúrgica. “Sabemos que uma formação realizada pelo SENAI tem muito valor, tanto para ingressar na CSP quanto para ser contratado em qualquer empresa. Estamos formando jovens para trabalhar em oportunidades que surjam no mercado de trabalho, na indústria e contribuir com o desenvolvimento regional sustentável, além de desenvolver uma empresa cada vez mais inclusiva", destaca Rodrigo Almeida.

Nathanhy Melo tinha 16 anos quando participou do primeiro processo de capacitação de pessoa com deficiência para trabalhar na CSP. No seu treinamento teórico, em parceria com SENAI-CE, ela desenvolveu a prática como Aprendiz PCD na área de recebimento fiscal da siderúrgica. Em julho de 2017, foi contratada pela CSP como assistente administrativa de Recursos Humanos, onde segue firme na sua carreira. “Foi meu primeiro emprego. A CSP me deu a oportunidade de desenvolvimento na área de RH e já estou encaminhando uma especialização, pois sou formada em Contabilidade”, conta Nathanhy. “Vale muito a pena trabalhar na CSP. É uma oportunidade para pessoa com deficiência que não é comum encontrar em outras empresas no Ceará”, ressalta.

Primeiras gerações de siderurgistas

Antes de iniciar a operação, foi necessário formar cearenses para as atividades siderúrgicas, que tem exigências rigorosas técnicas, de comportamento seguro e de foco no cumprimento de processos. Por isso, profissionais de diversos lugares do brasil contribuiram nessa formação, além da importante parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Ceará (SENAI-CE), que treinou 1.452 profissionais, dos quais, atualmente, 800 estão empregados na empresa. “Alguns profissionais fizeram, inclusive, ambientação siderúrgica na Coreia do Sul, sendo acompanhado de perto pelos profissionais mais experientes da CSP. Esses profissionais treinados fazem parte das primeiras gerações de profisisonais siderurgistas do Ceará”, acrescenta Rodrigo Almeida. (Assessoria de imprensa)