SOLIDARIEDADE

Associação cearense pretende arrecadar 5.500 cestas básicas; saiba como ajudar

Entidade arrecadou 350 cestas, distribui 50 em São Paulo e pretende distribuir 150 no Ceará na próxima semana

A meta de arrecadar 5.500 cestas básicas para doar a famílias em situação de vulnerabilidade social devido pandemia do coronavírus é outro desafio da Associação Cactus. Desde 2014, a entidade atua através da educação em municípios do Agreste cearense, oferecendo consultoria pedagógica às secretarias de Educação.

Intuito é levar os alunos das escolas públicas dessas cidades a outros espaços. "Uma coisa que sempre está na nossa cabeça é que talento tem em todo canto. Por isso se chama Cactus, por essa característica de resiliência, de crescer forte", explica Jefferson Viana, presidente da associação.

Foram esses mesmos alunos que alertaram para um ponto essencial: não há como participar das aulas sem ter o básico, como a alimentação. A partir desses relatos, a instituição começou uma campanha para arrecadar cestas básicas não só para seus estudantes, como também para outras pessoas que precisem.

"Têm muitos alunos com necessidades básicas", pontua Jefferson. A associação já tem parceiros que ajudarão na distribuição dos donativos, mas com a meta de arrecadar 5.500 cestas, entidade pede ajuda à sociedade civil. "A gente iniciou a campanha no domingo e já arrecadamos 350 cestas. Distribuímos 50 em São Paulo e no Ceará queremos distribuir 150 na semana que vem", comenta o presidente.

Para contribuir com a arrecadação, o site disponível é o https://www.associacaocactus.com.br/doacao-cestas

Para outras parcerias, como doação de alimentos, entre em contato pelo [email protected]

Projeto cearense capacita estudantes para Olimpíadas e bolsas de estudo

Associação Cactus

O projeto Cactus atua desde 2014 no interior do Ceará potencializando a educação de estudantes do ensino público. Anualmente, cerca de 300 jovens são treinados para participar de Olimpíadas pelo País com aulas promovidas pelo projeto, sempre aos sábados. Em 2018, foram 18 estudantes premiados na Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), 20 na Canguru Matemático sem Fronteiras, 41 na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e 54 na Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA).

Hoje, a Cactus está em dez cidades e três estados brasileiros. São 1.250 alunos participando das aulas. Nesse período de isolamento, cerca de 600 estão ativos à distância. Jefferson reconhece a dificuldade de acesso desse público: "A gente sabe que não é o melhor modelo. A gente não consegue atingir todos os alunos, mas sei de professores que vão deixar o material na casa dos alunos, enviam por WhatsApp", acrescenta.

Tauá, Capistrano e Jijoca de Jericoacoara são algumas das cidades envolvidas. No começo deste ano, número de alunos passou de 540 para 1.250 estudantes tendo aulas semanalmente e associação passou a atuar em dez cidades, inclusive um projeto piloto em São Paulo capital. "Nosso intuito é estar em todos os municípios daqui uns anos, tornar isso uma política pública. A gente não quer parar no Ceará. Queremos ir para o Nordeste, para o Brasil. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)