ATAQUE A GOVERNADORES

Bolsonaro ataca governadores e diz que vai propor isolamento só para idosos e doentes

Presidente volta a culpar governadores e prefeitos por crise

Sergio LIMA / AFP
Bolsonaro realizou pronunciamento em rede nacional na noite desta terça-feira, 24

"Não estou preocupado com a minha popularidade", afirmou na manhã desta quarta-feira, 25, o presidente Jair Bolsonaro quando questionado sobre recente avaliação de seu Governo. Durante pronunciamento, o mandatário brasileiro voltou a criticar governadores e prefeitos por medidas de isolamento social total para conter a transmissão da Covid-19. Conforme ele, os dirigentes estaduais e municipais estão "arrebatando com o País e com os empregos". Ele diz que vai propor "isolamento vertical", quando apenas idosos e pessoas com outras doenças ficam em quarentena.

As ações de isolamento são recomendações de autoridades de saúde, como a própria Organização Mundial da Saúde (OMS). Em vários Estados do Brasil, os governadores já determinaram quarentena, com fechamento temporário do comércio, escolas e serviços não-essenciais para evitar o avanço do vírus.

"A orientação vai ser vertical daqui para frente. Eu vou conversar com ele e tomar a decisão. Não escreva que já decidi, não. Vou conversar com o Mandetta sobre essa orientação", comentou Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada. Segundo ele, conversas nesses sentido ocorrem desde esta terça-feira, 24, com ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. A decisão deve ser divulgada ainda hoje.

"Estão proibindo o tráfego de pessoas, de rodovias, fechando empresas e comércios. Temos 38 milhões de autônomos. Uma parte considerável deles não está ganhando o seu ganha-pão. O que tinham na geladeira praticamente acabou. Não tem renda e tem família", analisou Bolsonaro. Ainda chamou de "crime" as ações tomadas pelos representantes.

Segundo ele "o Brasil pode sair da normalidade democrática". O presidente atacou diretamente os governadores do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e de São Paulo, João Doria, por fazerem demagogia. Ainda nesta manhã, os três devem se reunir para tratar sobre o enfrentamento à pandemia.   (O Povo - é parceiro de oxereta.com)