VERDADEIRO PAI DA TRANSPOSIÇÃO

Nem Lula nem Bolsonaro, verdadeiro pai da transposição foi piauiense e viveu no Cariri

Conheça a história do idealizador da transposição do São Francisco, projeto que rende disputas políticas após mais de 170 anos

Reprodução
Canal da transposição que traz água do rio São Francisco ao Ceará

Após a conclusão deste texto, encontrei referência ainda anterior, e também caririense. A ideia teria surgido ainda antes da independência, apresentada em 1818 por José Raimundo de Passos Barbosa, primeiro ouvidor do Crato, durante o reinado de dom João VI. Já estava presente o plano de levar água do São Francisco para o Jaguaribe.

A informação é do artigo "O mito da prosperidade na transposição das águas do rio São Francisco", assinado por José Gomes Ferreira e Ivaneide Fontes da Penha e publicado em julho de 2018 nas Memórias do 56º Congresso Internacional de Americanistas, da Universidade de Salamanca.

A chegada das águas da transposição do rio São Francisco ao Ceará iniciou polêmica nas redes sociais sobre a paternidade da obra. Ela foi prometida pelos cinco últimos presidentes. Essa é a 11ª tentativa de realizar a transposição, e finalmente saiu do papel. As obras começaram no governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), passaram por Dilma Rousseff (PT), que entregou um pedacinho. Por Michel Temer (MDB), quando o eixo leste foi entregue, e agora Bolsonaro. Todos deram sua contribuição. E todos atrasaram a entrega. Inclusive o governo Bolsonaro previa a chegada da água no ano passado.

Nesse debate sobre paternidade, é justo retornar ao século XIX. O primeiro projeto conhecido da transposição foi o mapa topográfico do Crato, impresso em 1843 no Rio de Janeiro. O autor foi Marcos Antonio de Macedo. Ele apontava a possibilidade de um canal a partir do rio São Francisco para levar água ao Riacho dos Porcos e ao rio Salgado e de lá ao rio Jaguaribe.

Macedo nasceu na vila de Jaicós, comarca de Oeiras, Piauí, em 18 de junho de 1808. A mãe dele, Maria de Macedo Pimentel, era sobrinha de Bárbara de Alencar. Maria era irmã de Ana Porcina de Alencar, casada com Tristão Gonçalves e que, após a morte do marido, ficou conhecida como Ana Triste.

Macedo formou-se em Direito em Olinda. Em 1834, assumiu como presidente da província do Ceará Martiniano de Alencar, primo da mãe de Marcos. O jovem foi então enviado à Europa para estudar Ciências Naturais. Retornou em 1838 e foi encarregado de explorar florestas e formar uma coleção mineralógica do Ceará. Foi nesse período que produziu o mapa topográfico, com a pioneira ideia da transposição. A proposta foi levada ao imperador dom Pedro II.

Em 1847, foi nomeado juiz de direito do Crato. Foi colaborador do Grande Dicionário Larousse. Chegou a ser presidente da Província do Piauí entre 1847 e 1848.

O mapa topográfico do Crato foi reimpresso em 1871 na Alemanha e foi ainda usado na Carta Topográfica do Ceará de 1886.

As informações são da revista A Província, nº 1, 1953, páginas 38 a 40, citadas por José Italo Bezerra Viana em sua dissertação de mestrado em História Social pela Universidade Federal do Ceará.

A solenidade da chegada da água teve Bolsonaro como estrela, nesta sexta:

Bolsonaro acionou a comporta do Eixo Norte do projeto. As águas que hoje abastecem o reservatório Milagres, em Pernambuco, passam pelo túnel Milagres, na divisa entre Pernambuco e Ceará, e irão agora até o reservatório Jati, no Ceará. (Erico Firmo - O Povo -  é parceiro de oxereta.com)