VACINA CONTRA COVID-19

Testes de vacina mostram completa eficácia, diz grupo chinês

Covid-19: OMS espera produção de milhões de doses da vacina neste ano

Reprodução
Testes de vacina mostram completa eficácia, diz grupo chinês

Ogrupo farmacêutico chinês China National Biotec Group (CNBG) informou neste domingo, 28, que uma vacina contra o novo coronavírus em desenvolvimento pela empresa se mostrou capaz de imunizar todas as pessoas que receberam as doses. Participaram desta etapa 1.120 indivíduos, sendo que todos produziram anticorpos contra o vírus causador da Covid-19.

"Com referência a produtos similares no passado, combinados com dados humanos existentes, sugere-se inicialmente que a nova vacina desenvolvida seja segura e eficaz", diz o texto publicado pela CNBG na rede social chinesa WeChat.

Na nota, o grupo também disse ter construído uma fábrica em Pequim com capacidade de produzir até 120 milhões de unidades da vacina a cada ano.

Também ontem várias lideranças de ONGs lançaram um apelo, na França, para tornar uma futura vacina contra o novo coronavírus acessível a todos, alertando para o risco de "nacionalismo" no tema.

"O medo de que um 'nacionalismo' sobre a questão da vacina, associado a uma corrida pelo lucro, dificulte o acesso das pessoas mais expostas e desprotegidas, por exemplo, as que vivem em países em desenvolvimento, é muito real", afirmam em uma nota publicada no jornal francês "Le Journal du Dimanche".

Entre estes representantes do Terceiro Setor, estão Cécile Duflot (Oxfam), Najat Vallaud-Belkacem (France One), Thierry Allafort (Médicos Sem Fronteiras), Philippe de Botton (Médicos do Mundo) e Florence Thune (Sidaction).

"Há dois meses, ocorrem cúpulas internacionais, e a França mostra seu desejo de tornar a futura vacina SARS-CoV2 acessível em todo mundo", escrevem. Mas, "nos bastidores, uma concorrência dura foi aberta entre nações e grupos farmacêuticos para o desenvolvimento das vacinas", acrescentam.

O grupo Sanofi gerou grande polêmica em maio, quando seu diretor-geral se referiu à possibilidade de favorecer os Estados Unidos na distribuição de uma possível vacina. "Nossas associações têm a experiência de anos de luta pelo acesso a tratamentos diante de uma indústria farmacêutica pouco escrupulosa. Não se pode repetir os mesmos erros!", afirmam as ONGs, para as quais "para fazer das futuras vacinas um bem público mundial é preciso garantir preços acessíveis para todos os países e todas as populações". (AE)