CORONAVÍRUS

Pesquisadores desenvolvem tecido para máscara que diminui a capacidade de infecção

Com uma combinação de prata e zinco, o campo elétrico fraco bloqueia a capacidade de infecção do vírus

Divulgação Chandan Sen/ Indianopolis Monthly
Pesquisadores desenvolvem tecido para máscara que diminui a capacidade de infecção

Pesquisadores da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, desenvolveram um tecido capaz de diminuir a capacidade de infecção do novo coronavírus. Liderados por Chandan Sen, atual diretor do Centro para Medicina Regenerativa e Engenharia da Escola de Medicina da Universidade, os estudos apontaram elementos eficazes para que anular as propriedades do vírus.

No início da pandemia, de acordo com informações do Indianopolis Monthly, a equipe descobriu que o Sars-Cov-2 depende de forças eletrostáticas para infectar as pessoas. Assim, o tecido feito de poliéster possui uma combinação de pontos circulares com prata elementar e zinco alternados, que cria um campo elétrico fraco, usando baterias de microcélulas que bloqueiam a capacidade de infecção quando expostos à umidade.

As máscaras simples que são elementos essenciais de proteção a covid-19, se forem feitas deste tecido podem indicar maior proteção às pessoas. Em matéria publicada pela Tecmundo, uns dos benefícios deste acessório será a eliminação do vírus durante o uso e a criação de outras peças de proteção individual.

Projeto Agir Brasil

Acesse mais notícias sobre o novo coronavírus navegando por aqui. Além de textos, você tem acesso a conteúdos de vídeos e podcasts. Vamos atravessar esta pandemia juntos. (O Povo  - é parceiro de oxereta.com)