SURPREENDENTE

Amigos que “não chegariam aos 7 anos” completam 18 e se formam

Tim Frost
Odin e Jordan antes e agora -

A história desses dois amigos desafia prognósticos da medicina e mostra que é preciso acreditar, persistir, se superar. Foi o que fizeram Odin Frost e Jordan Granberry, que se conheceram no primeiro dia de aula e nunca mais se largaram.

Quando eles nasceram, os médicos diagnosticaram que os dois tiveram lesões cerebrais e disseram que eles teriam 2% de chance de sobreviver, se conseguissem passar 7 anos.

Mas anos se passaram e para surpresa de todos, Odin e Jordan chegaram aos 18 anos, subiram ao palco na semana passada e receberam o diploma do ensino médio.

A história

Odin e Jordan se conheceram no Centro Wayne D. Boshears para Programas Excepcionais, em Tyler, no Texas, EUA.

O pai de Odin, Tim Frost, contou à CBS News que a amizade dos garotos foi instantânea: “Nenhum dos dois falava, mas onde um estava, o outro também estava”, relembrou.

No caso de Odin, a mãe teve pré-eclâmpsia e o parto foi complicado. O cérebro do menino não recebeu oxigênio suficiente, o que levou a uma lesão cerebral.

Por isso os médicos estimaram que ele teria 2% de chance de sobrevivência e, se ultrapasse a expectativa, viveria em estado vegetativo.

O problema de Jordan foi parecido. Ele também não teve oxigenação no cérebro, o que causou as lesões. A mãe dele, Donna, foi informada pelos médicos que o filho poderia não chegar aos 7 anos de idade.

A virada

Contrariando as expectativas, os dois completaram 18 anos e aprenderam a andar.

Odin andou aos 5 anos e Jordan deu os primeiros passos perto de completar 18 anos.

“É algo que eu nunca pensei que fosse acontecer. Nós não sabíamos se ele iria sobreviver… Agora ele está andando no palco.

Para comemorar a vitória, as famílias tiraram uma foto dos adolescente na festa de formatura, no último dia 16, que ficou bem parecida com a tirada na primeira semana de aula, quando eles ainda tinham três anos.

Com informações da CBSNews