VAI TER REPRISE?

O reencontro de Ceará e Bahia na final da Copa do Nordeste

Alvinegro e Triclor fazem o primeiro jogo da final e repetem decisão de 2015, quando o Vovô conquistou seu primeiro — e até agora único — título da competição

Reprodução - O Povo
Samuel Xavier era titular do Ceará campeão nordestino em 2015

Éa reprise de um filme de cinco anos atrás guardado na parede da memória com muito carinho pelo torcedor alvinegro: os mesmos protagonistas, revivendo dois jogos finais no mesmo torneio. Ceará e Bahia, hoje, 1º, e na próxima terça-feira, 4, refazem os duelos derradeiros da Copa do Nordeste de 2015. As semelhanças não ficam por aí: alguns personagens desse enredo tornam a viver as emoções em campo. São os casos, no Tricolor, do meia Yuri, e no Alvinegro, do meia Ricardinho, do atacante Wescley e do lateral-direito Samuel Xavier.

Compreendendo que o elenco do Bahia está mais consolidado, o executivo de futebol do Alvinegro, Jorge Macedo, diz acreditar que serão partidas jogadas de igual para igual e decididas nos detalhes. Em 12 confrontos pelo Nordestão, o Vovô venceu 5, o Esquadrão 3, e ficaram empatados em 3 oportunidades - a última delas já neste ano, em um 2 a 2, no Castelão.

"O grupo tá bastante motivado. A gente tem jogadores que já conquistaram a Copa do Nordeste no elenco, muitos jogadores vitoriosos em outros clubes. A gente deixou claro que é o momento de entrar pra história. Todo mundo vem pro Ceará pra entrar na história. Como se entra na história? É ganhando clássico, ganhando título", projetou, em entrevista exclusiva.

As correspondências entre os jogos são muitas, mas, passados cinco anos, Samuel Xavier também destaca as diferenças e revela "confiança" em que roteiro termine como em 2015, com o Ceará levantando a orelhuda.

Entre as mudanças está a da decisão feita inteiramente fora de casa, no Pituaçu, em Salvador, e sem público — muito diferente de 2015, com jogos de ida na Fonte Nova e de volta no Castelão, para um público recorde de 63.399 pagantes. A arquibancada lotada vai fazer falta, conta o atleta. Ainda assim, ele acredita que o Bahia não leva vantagem, um vez que não terá apoio da torcida dentro do estádio.

"Em 2015, a nossa equipe era bastante entrosada, uma equipe que já vinha de 2014, com bastante gente no elenco. Esse ano, tá sendo diferente porque chegaram muitos jogadores e também teve essa parada por causa da pandemia. Vai ser diferente, mas acredito que a gente chega com condições, sim, de ser campeão", disse em coletiva de imprensa, feita à distância e disponibilizada pelo clube. O lateral, em 2015, deu a assistência para o gol de Ricardinho, no primeiro jogo da decisão de 2015. Depois daquele ano, Samuel foi para o Sport-PE, seguiu para o Atlético-MG, e retornou ao Vovô em 2018.

Para acreditar nesse final feliz para o Vovô, o lateral-esquerdo ressalta a "liga" que elenco tem apresentado em campo. "A nossa equipe tá conseguindo dar liga muito rápido a gente tá conseguindo entrosar bastante. A gente tem todas as condições de enfrentar o Bahia e conseguir esse título. Nossa equipe tem treinado forte e feito bons jogos, acredito que a gente chega com bastante confiança para conseguir esse titulo", observa.

Um dos fatores para essa convicção do atleta está na beira do campo. O treinador Guto Ferreira, que tem comandado o Ceará a partir dos jogos pós-parada devido a pandemia de Covid-19, é linha dura no quesito tático e, conforme o atleta, tem se obstinado em repassar os conceitos ao grupo. "O professor Guto cobra bastante a gente na parte tática. A gente fala que é uma coisa chata, mas é pro nosso bem. Ele gosta bastante de dar ênfase nesse trabalho taticamente. E a gente tem colocado isso nos jogos", conta.

Posse de bola, tabelas curtas próxima da área e reforço da função defensiva são alguns dos fundamentos trabalhados por Guto e citados por Samuel Xavier. "Ele cobra a gente bastante ali na parte de trás, e a gente tá colocando isso em prática. Nessa retomada, tomamos só um gol (na Copa do Nordeste, contra o CRB). Uma equipe que toma menos gol fica mais próximo da vitória", acredita. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)