CORONAVÍRUS NO CEARÁ

Fortaleza e outros municípios têm aumento de casos de Covid-19 e continuam com circulação do vírus

Na análise das duas semanas, Fortaleza apresentou aumento de 24,7% nos casos confirmados de Covid-19

Barbara Moira/O Povo
Circulação de pessoas no Centro de Fortaleza no período da tarde; alguns sem utilizar ou utilizando incorretamente a mascara.

Segundo o último boletim epidemiológico do Ceará, divulgado pela Secretaria de Saúde (Sesa), Fortaleza e outras áreas descentralizadas de saúde (ADS) tiverem aumento de casos de Covid-19 na semana epidemiológica (SE) 46, de 8 a 14 de novembro. O Estado, entretanto, apresenta redução nos dados: foram confirmados 1.039 novos casos neste período, redução de 22,3% ao registrado na semana anterior. A Capital e outros municípios com grande movimentação de pessoas, por outro lado, puxam aumentos nos casos.

Na análise das duas semanas, Fortaleza apresentou aumento de 24,7% nos casos confirmados de Covid-19 .Caucaia (1,1%), Maracanaú (29,5%), Itapipoca (3,2%), Aracati (25,5%), Russas (22,6%), Acaraú (59,0%) e Camocim (19,4%) também apresentaram incremento de casos.

Covid-19 nesta sexta-feira, 20: Ceará já realizou mais de 1,1 milhão de testes para Covid-19 e passa de 289,9 mil casos confirmados

Russas, Sobral, Tianguá, Crateús e Brejo Santo apresentaram incremento de óbitos no mesmo período. Com isso, a taxa de mortalidade no Estado passou de 103,9 para 104,6 óbitos por 100 mil habitantes em sete dias, com destaque para as ADS de Icó (71,2), Crateús (76,3), Limoeiro do Norte (68,7) e Crato (57,2), que apresentaram incremento de 5,1%, 3,6%, 3,3% e 2,6%, respectivamente. Maracanaú, Baturité e Limoeiro do Norte mantiveram o mesmo número de ocorrências. Apenas o município de Antonina do Norte não registra óbitos por Covid-19, segundo a Sesa.

A secretária-executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), Magda Almeida, ressalta que o cenário geral continua de diminuição de casos, mas que alguns municípios têm voltado ao crescimento de casos. Segundo ela, esses locais têm em comum a intensa movimentação de pessoas. "Quando a gente avalia especificamente algumas áreas descentralizadas de saúde, elas mostraram incremento. Essas áreas descentralizadas [são] de Fortaleza e as regiões próximas. E outras áreas descentralizadas onde há a circulação muito grande de pessoas, principalmente na área litorânea, como Camocim e Aracati", detalha.

Ela explica que o aumento da positividade dos testes mostra que a circulação do vírus ainda continua acontecendo. "Isso mostra para gente que, apesar de estar diminuindo os casos, o vírus ainda continua circulando. A gente teve o aumento da ocupação dos leitos, principalmente nos hospitais privados, e um aumento da positividade dos testes", afirmou.

A Região de Saúde de Fortaleza, composta por 43 municípios, incluindo a Região Metropolitana, no geral, continuou com redução, dessa vez de 11%, com confirmados 800 novos casos e 5 óbitos na última semana. A região Norte, o Cariri, o Litoral Leste e Sertão Central também integram o quadro com redução.

Diante do aumento de casos em algumas regiões, a secretária executiva reforça que a população continue seguindo as recomendações sanitárias. "A gente não pode prescindir de continuar executando as medidas de distanciamento social e etiqueta respiratória e do uso obrigatório de máscaras", ressaltou. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)