SÉRIE C

Ferroviário perde para o Treze-PB, em casa, e dá adeus ao G4 da Série C

Mesmo jogando melhor, Ferroviário perde para o Treze da Paraíba, em casa, e agora é o quinto colocado. Time entrou em campo com problemas e não aproveitou pelo menos duas chances claras de gol

Lenilson Santos/Divulgação/Ferroviário
O FERROVIÁRIO perdeu a partidas para o Treze-PB e a quarta colocação na tabela de classificação

O Ferroviário criou mais, mandou três bolas na trave, mas, mesmo assim, saiu derrotado do estádio Domingão na tarde de ontem. O Treze-PB venceu por 1 a 0, gol de Neto Baiano aos 17 da segunda etapa. Uma derrota "doída", como afirmou o técnico Marcelo Vilar após o jogo. O resultado deixou o Tubarão fora do G4. O time agora é o quinto colocado, com 17 pontos, um a menos que o quarto colocado Manaus-AM, próximo adversário do Tubarão. O será no próximo sábado, 7, na Arena da Amazônia, em Manaus.

A forma como se deu a derrota, citou Vilar, exacerba as lamentações. "Não fizemos uma partida brilhante", disse Vilar, "mas a minha análise é de que jogamos o suficiente para ganhar o jogo e ganhar fácil. O adversário teve uma finalização e acabou ganhando".

De fato, em muitos momentos, o jogo foi difícil de assistir, mas, praticamente, só o Ferroviário teve chances. Demorou 37 minutos para uma chance realmente clara de gol — e uma chance claríssima. Caíque, de frente para o gol, bateu cruzado. A bola passou por toda a boca do gol até chegar a André Mensalão, sem goleiro, mas também perdendo um pouco do ângulo. O atacante mandou na trave.

O jogo era marcado pela falta de criatividade das equipes e péssimo estado do gramado do Domingão. O Ferroviário ensaiou uma pressão no fim do primeiro tempo, tendo obrigado o goleiro Andrey a fazer duas grandes defesas. Aos 46, Lorenzi cobrou falta fechada, Willian Lira cabeceou para grande defesa do goleiro do Treze e houve rebote. Mesmo caído, Andrey conseguiu se recuperar e salvou finalização de Vitão. A bola ainda tocou a trave.

Nova bola na trave ocorreu aos 7 minutos do segundo tempo. Caíque, mais uma vez, dividiu, ficou com a bola, já dentro da área, e chutou forte, acertando o travessão. Mesmo o Ferroviário tendo mais posse de bola e criando mais, foi o Treze que abriu o placar. Naquela que foi a única chance clara da equipe paraibana, Douglas Lima se jogou para escorar para o meio cruzamento fechado e Neto Baiano só tocou para o gol vazio.

O Ferroviário quis pressionar, tinha a posse de bola, mas não conseguiria mais criar. Com o jogo se encaminhando para o final, o time tentou o abafa, enquanto o Treze se fechava, tentava sair nos contra-ataques e abusou da cera. A proposta do Treze se sobressaiu e o jogo ficou mesmo no 1 a 0.

Na coletiva, Vilar afirmou que o aproveitamento do Ferroviário não tem sido bom, "o que tem preocupado". Ele, porém, questionado se a classificação ainda é possível, afirmou que "vamos ter que continuar acreditando". "Em poucos desses 13 jogos que fizemos, fomos inferior ao adversário. Entretanto, o jogo também não é só a produção em campo: é o aproveitamento".  (O Povo - é parceiro de oxereta.com)