ECONOMIA

Em recuperação acelerada, indústria do Ceará cresce acima de cinco vezes a alta registrada no Brasil

O resultado cearense representa uma expansão de 8 meses seguidos de saldo positivo e demonstra uma retomada efetiva do setor de produção industrial após paralisação devido a pandemia de Covid-19

CNI/José Paulo Lacerda
Indústria cearense apresenta desenvolvimento de destaque no cenário nacional com retomada acelerada da produção após efeitos negativos da paralisação devido pandemia de Covid-19

O Ceará encontra-se em retomada da produção industrial após as perdas acumuladas em decorrência da necessidade de se interromper parte das atividades econômicas na pandemia do novo coronavírus. Nos últimos oito meses de 2020, o Estado acumulou uma alta de 120,7% da indústria após queda histórica. Já na passagem de novembro para dezembro, o Ceará cresceu 4,7%, acima de cinco vezes o resultado do Brasil (0,9%).

Já na comparação com dezembro de 2019, na série sem ajuste sazonal, a indústria cearense saltou 17,7%, estando entre 13 dos 15 locais pesquisados com resultados positivos em dezembro.

As informações foram consolidadas pela última Pesquisa Industrial Mensal Regional (PIM-REG) feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e divulgada nesta terça-feira, 9. Os dados expressam um alento para o setor que no segundo trimestre do ano passado apresentou queda de 42% na produção, maior redução do País no período.

Após o recuo expressivo, o retorno ao ritmo produtivo no Ceará se mostrou eficiente e o Estado acumulou, em dezembro, o segundo melhor rendimento do Brasil, com alta de 4,7%, ficando atrás apenas do Espírito Santo, com 5,4%. Para o último mês de dezembro, a média nacional ficou em 0,9%.

Mas mesmo em recuperação, ainda há impactos do fechamento temporário de parte do setor durante as medidas mais restritivas que buscaram desacelerar a disseminação do novo coronavírus. No comparativo entre o acumulado da produção industrial cearense em 2020 e em 2019, o Estado teve uma redução de 6,3%, a segunda maior do País. Queda influenciada principalmente pela diminuição da produção de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados e também da confecção.

Os prejuízos, porém, podem ser revertidos ainda neste ano, já que a tendência positiva, segundo estimativas do IBGE, pode se manter pelos próximos meses. A pesquisa classifica o Ceará entre os doze estados brasileiros que apresentaram mais rápida resposta de reversão da série de queda registrada em decorrência da pandemia de Covid-19.

Dentre os setores da indústria que mais influenciaram na retomada estão a fabricação de bens de capital (em especial aqueles voltados para o setor de transporte); de bens intermediários (siderurgia e indústria da construção civil); de bens de consumo duráveis (automóveis e eletrodomésticos); e de bens de consumo semi e não-duráveis (calçados, vestuário, produtos têxteis).  (O Povo - é parceiro de oxereta.com)