AGLOMERADOS E SEM MÁSCARAS

Após depoimento na CPI da Covid, Hang é recebido por funcionários aglomerados e sem máscara

O empresário, proprietário da rede de lojas Havan, prestou depoimento na última quarta à comissão, negando acusações de ter financiado a difusão de notícias fraudulentas

REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS
Luciano Hang foi recebido com festa em loja da Havan, após depoimento à CPI da Covid

O empresário Luciano Hang, conhecido apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e dono das lojas Havan, publicou nas redes sociais um vídeo onde aparece sendo calorosamente recepcionado pelos funcionários dele um dia depois de prestar depoimento na CPI da Covid, no Senado.

No vídeo, os colaboradores aparecem quase todos sem máscara, aglomerados, segurando bexigas nas cores verde e amarela e aplaudindo a entrada do chefe deles.

Durante a passagem pelo corredor de pessoas, o empresário ainda abraça duas funcionárias, que, assim como ele, não usam máscara de proteção facial contra a Covid-19.

Na publicação do vídeo, Hang agradece o apoio e diz ter cumprido seu dever “de cidadão” e de brasileiro e afirma ter falado a verdade na comissão.

“Esse reconhecimento me emociona muito e me motiva ainda mais a seguir lutando por aquilo que eu acredito ser o correto para mim, minha família, nossa empresa e o nosso país", escreveu o empresário.

Em depoimento tumultuado na CPI, Luciano Hang negou acusações de ter financiado a difusão de notícias fraudulentas sobre medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid-19, acusação feita pela comissão.

Em seis horas à frente dos parlamentares, o empresário mostrou cartazes, tentou orientar o andamento dos trabalhos e irritou diversos senadores. O relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), disse que o bolsonarista teve atitude debochada no depoimento.

“O depoente de hoje na CPI debochou das quase 600 mil mortes da Covid. Foi impiedosamente desmascarado, por ele mesmo, em suas mentiras, fraudes e falácias", disse o senador.

Nesta quinta-feira, 30, Calheiros afirmou que irá propor indiciamento do empresário por crimes durante a pandemia no relatório final da comissão.

“Nós temos elementos probantes, um elenco comprovatório imenso da participação criminosa do senhor Luciano Hang em vários momentos dessa pandemia, patrocinando, defendendo, postando, financiando a equipe equivocada de enfrentamento do presidente da República, que acabou transformando nosso país em um morticínio, com quase 600 mil vítimas e milhões de sequelados", disse Renan. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)