ECONOMIA

Depois de duas altas seguidas, nível de atividade econômica volta a cair no Brasil

Em agosto, o Índice de Atividade Econômica (IBC-BR), considerado a prévia do PIB, registrou queda de 0,15% ante ao mês imediatamente anterior, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Banco Central

Arquivo O Povo
Segundo pesquisa do Sebrae, a pandemia da Covid-19 fez a população precisar economizar, buscando alternativas mais econômicas de consumo.

A atividade econômica brasileira interrompeu a sequência de dois meses de crescimento e apresentou queda em agosto. O Banco Central informou nesta sexta-feira, 15, que o Índice de Atividade Econômica do Brasil (IBC-Br) caiu 0,15% em agosto ante julho, na série já livre de influências sazonais. Em julho, o avanço havia sido de 0,23%. Mas, apesar do resultado, no acumulado do ano, o saldo é positivo em 6,41%.

Considerado uma espécie de "prévia do PIB", o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses.

De julho para agosto, o índice de atividade calculado pelo BC passou de 139,44 pontos para 139,23 pontos na série dessazonalizada. Este é o menor patamar desde junho deste ano (139,12 pontos). Mas

Na comparação entre os meses de agosto de 2021 e agosto de 2020, houve crescimento de 4,74% na série sem ajustes sazonais. Esta série registrou 141,93 pontos em agosto, o melhor desempenho para o mês desde 2018 (143,36 pontos).

O indicador de agosto de 2021 ante o mesmo mês de 2020 mostrou desempenho dentro do intervalo projetado pelos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, que esperavam crescimento entre 3,20% e 5,90% (mediana de alta de 4,90%).

Setores
De acordo com o Banco Central, em agosto, o desempenho do varejo ampliado (-2,5%) decepcionou as expectativas, conforme o indicador do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em meio à inflação alta, assim como o comportamento da indústria (-0,7%) ficou aquém do esperado diante dos problemas na cadeia de suprimentos global.

Por outro lado, o volume de serviços prestados ficou um pouco acima do esperado (0,5%) em meio ao avanço da vacinação contra a covid-19 e ao processo de reabertura da economia.

Previsão de crescimento para 2021
A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2021 é de crescimento de 4,7%. Esta estimativa foi atualizada no último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), no mês passado.

No último Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC, a projeção é de crescimento de 5,04% do PIB em 2021. O Focus reúne as projeções dos economistas do mercado financeiro. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)