"CHORO NO BANHEIRO"

Bolsonaro diz que chora no banheiro de casa e que primeira-dama nunca viu

Bolsonaro também disse que não tem culpa pelo aumento do preço dos combustíveis e sinalizou, novamente, a intenção de discutir a privatização da Petrobras

Alan Santos/PR
Presidente da República, Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que chora sozinho no banheiro de sua residência. O gestor disse ainda que nem sua esposa, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, o vê chorando. A declaração foi dada enquanto o chefe do Executivo participava de um evento evangélico chamado Conferência Global 2021 – Millenium, em Brasília na última quinta-feira, 14.

"Cada vez mais nós sabemos o que devemos fazer. Para onde devemos direcionar as nossas forças. Quantas vezes eu choro no banheiro em casa? Minha esposa (Michelle) nunca viu. Ela acha que eu sou o machão dos machões. Em parte acho que ela tem razão até", afirmou.

O presidente disse que age dessa maneira por não ser mais um deputado federal. "Com todo o respeito aos deputados, se ele errar um voto, pode não influenciar em nada. Um voto em 513. Mas uma decisão minha mal tomada, muita gente sofre. Mexe na bolsa, no dólar, no preço do combustível", declarou, acrescentando que não tem culpa pelo aumento do preço dos combustíveis e sinalizando, novamente, a intenção de discutir a privatização da Petrobras.

Em entrevista a uma rádio de Pernambuco, também na quinta-feira, 14, Bolsonaro expressou sua “vontade de privatizar a Petrobras” e, sem dar detalhes, disse que avaliará as possibilidades com a equipe econômica do governo. A declaração, ocorreu em meio às frequentes altas no preço dos combustíveis e do gás de cozinha.

De olho em 2022, Bolsonaro busca aproximação com uma base evangélica. A indicação de André Mendonça para uma vaga no Supremo Tribunal Federal foi um aceno para esse segmento, mas o candidato a ministro sequer foi sabatinado pelo Senado, o que gerou insatisfação do segmento. O ex-presidente Lula (PT) já tem trabalhado no sentido de abrir diálogos com lideranças e representantes de evangélicos. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)