COVID NO PALÁCIO DO PLANALTO

Com 712 casos e 3 mortes, Covid-19 avança no Palácio do Planalto

Em 2021, o mês que mais teve casos de Covid-19 foi março, com 48 notificações de infecção

Anderson Riedel/PR
Alvorada no Palácio do Planalto.

Minimizada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) desde que chegou ao Brasil, a Covid-19 está em avanço no Palácio do Planalto, local de trabalho do chefe do Executivo nacional. Segundo reportagem da jornalista Mayara Oliveira, do Metrópoles, já foram 712 casos em dois anos de pandemia. Os dados foram fornecidos pela Secretaria Geral da Presidência ao portal, via Lei de Acesso à Informação (LAI).

Ao contrário do que costuma tentar fazer parecer Bolsonaro, a Presidência já soma três óbitos. Após chamar a doença de “gripezinha”, o presidente defende que cerca de 200 servidores do Planalto tomaram os remédios do chamado “tratamento precoce”, conjunto de medicamentos sem a eficácia científica comprovada contra a Covid, após contraírem a doença. Ele afirma ainda não ter conhecimento de casos graves no local.

Atualmente, dos 4 mil funcionários do Planalto, 270 foram diagnosticados com Covid no ano passado e outros 442 em 2020. Em 2021, o mês que mais teve casos de Covid-19 foi março, com 48 notificações de infecção. O mês de julho de 2020 foi bateu recorde de contaminações no Planalto, contabilizando 129.

O Metrópoles também pediu para que a Secretaria Geral fornecesse, via LAI, a quantidade de vezes em que o Departamento Médico da Presidência receitou remédios como cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina e nitazoxanida para pacientes com suspeita ou caso confirmado de Covid-19. O pedido não incluía informações pessoais dos pacientes.

Ao negar acesso às informações, em nota, o Planalto disse que os dados são protegidos pelo sigilo médico. No mesmo documento, no entanto, a Secretaria Geral admitiu que os médicos da Presidência prescrevem medicamentos sem eficácia contra a Covid. (O Povo - é parceiro de oxereta.com)