PERNAMBUCO

Hepatite infantil misteriosa: Pernambuco registra segundo caso suspeito

Novo registro é de um adolescente do sexo masculino, de 14 anos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde

Jornal do Commercio para a Rede Nordeste
Hepatite infantil misteriosa: Pernambuco registra segundo caso suspeito

Pernambuco registrou, nessa terça-feira (10), o segundo caso suspeito de hepatite aguda grave de origem desconhecida. A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), inclusive, já notificou o Ministério da Saúde. O novo registro é de um adolescente do sexo masculino, de 14 anos, que reside no município de Salgueiro, no Sertão do Estado.

De acordo com Estado, o paciente deu entrada no Hospital Getúlio Vargas, no bairro do Cordeiro, na Zona Oeste do Recife, no sábado (7), com quadro de febre e artralgia, após ter sido atendido inicialmente no Hospital Regional Inácio de Sá, em Salgueiro.

A Secretaria de Saúde informou que os primeiros exames coletados detectaram aumento nas transaminases, que são enzimas intracelulares que atuam catalisando diversas reações, principalmente no fígado, e um dos critérios elencados pelo órgão federal para definição de caso suspeito.

O adolescente de 14 anos segue internado em enfermaria da unidade, evoluindo bem ao tratamento e sendo acompanhado pela equipe multiprofissional do serviço.

Primeiro caso suspeito

Na segunda-feira (9), o Ministério da Saúde já havia confirmado o primeiro caso suspeito em Pernambuco: uma criança de um ano, do sexo masculino, residente no município de Toritama.

No último dia 25 de março, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) já emitiu alerta a toda a rede de saúde do Estado (unidades públicas e privadas), para "ficar atenta a crianças e adolescentes com sintomas sugestivos da doença". Na noite da terça-feira (26), um dia após a divulgação do primeiro alerta, a SES soltou uma atualização do documento, a fim de compartilhar, com profissionais de saúde, diretrizes de identificação precoce de casos suspeitos, estabelecer medidas controle e prevenção.
Há confirmação da doença, cuja origem ainda é desconhecida, em mais de 20 países. Esse tipo específico da hepatite infantil, em 10% dos doentes, pode exigir transplante de fígado e até matar.

No Brasil

Em São Paulo, os registros foram na capital paulista e nos municípios de São José dos Campos e Fernandópolis. Todos são crianças, dois estão internados, e os demais "evoluem bem", de acordo com o órgão estadual. (O Povo - é parceiro de oxeret.com / com informação do Jornal do Commercio para a Rede Nordeste)